Passagens

Acreditar… SEMPRE… sem exceção dos momentos ou intervalos que construiu ou vá a construir! Permita-se simplesmente no toque da Palavra.

Passagens a luz de velas… Luz das velas que provocam a sonoridade das palavras. Claras ou escuras parafinas vêm a queimar, pois, a rotatividade de um pensamento e os trocadilhos de olhares são contínuos e recíprocos. A cera derrete e vai a escorrer sobre a mesa. Lubrifica algumas palavras já declaradas e queimando o desnecessário aos parágrafos seguintes. Pode ser que seja o ego imperando sobre o trilho de um sentimento ou ainda uma vírgula fora de seu percurso. O que consta em rascunhos não necessariamente precisa ser concretizado. São hipóteses, margens, atos a arte que pode ser enquadrada a um amanhã qualquer quiçá definitivo. O amanhã pode ser criado, resenhado, contornado quantas vezes for preciso até a Lua se pôr. As velas podem ser sortidas, pois, as portas e as palavras para com os caminhos e horas também são. Ora depressa, ora contradizendo os ponteiros da vida o compasso que caminha em busca de respostas encontrará seus próprios passos.

Em sua maioria o que está ao nosso redor não passa de pretextos para aguçar a criatividade a valorizar a curiosidade.

Esta que nos dá ferramentas para explorar o desconhecido não deixando rastros sobre as dúvidas que passara sob neblinas em claro. Pensamentos sobre escritas folhas, sentimentos sobre pedras expressadas, emoções e feridas sobre duas tábuas rubricadas as tuas dogmas. Céu como testemunha a observar o andarilho, tuas condutas, cumprimentos e metas.

Eis que filho daquele que indicou ou apontou sinais. Olhos estes que conseguiu captá-los e colocá-los na exatidão do momento a tornar-se intervalo. Muito aconteceu e ainda há de acontecer, coisas que há muito tempo não via passou a ver, outras que há muito tempo não tinha passou a ter. Ainda não conseguia entender o signo da tamanha proximidade, mas, que o breve o mostraria em parciais segundos. Ministrou sonhos em uma noite qualquer de um dia turbulento sem conquistas. Mencionou ali pequenos detalhes esnobados e ainda outros esmiuçados, estes que poderiam servir como degrau a tua compreensão e crescimento.

Não era causa de pânico, mas, a semear atenção as terras ao redor. Adormeceu e despertou rapidamente como num piscar de olhos e começou a entender gradativamente o porquê estava conseguindo obter o desejado e estava na claridade da proximidade. Embora, ainda estivesse cometendo erros em algum momento das tuas avenidas matinais. Já havia permitido com que a luz adentrasse e iluminasse o teu interior e direcionasse tuas curvas em um rumo melhor. Por isso, as velas, as ceras, lubrificavam certas palavras e apagavam outras Não rasuravam teus feitos, todavia, marcavam vestígios de ruas tuas em atalhos de ideias.

Ardia, incomodava mãos, porém, agora conseguia enxergar e escutar dentro do teu coração, A VOZ DELE, onde havia colocado barreiras para não interferir em teus planos… Mas, quando acordou realmente para a Vida sentiu que se não deixar a tua Fé explodir dentro de si e teu olhar não expressar palavras nunca será melhor, ainda que se permitir… Temos que estar não somente nos permitindo, mas sim, entregues as PALAVRAS DELE para que nos conduza a um amanhã melhor!

 

Compartilhar artigo: